Notícias

07
jun
2017
    Publicidade
Dry hopping, o aroma que vem do frio

O lúpulo exerce diversas e importantes funções na cerveja. Dependendo do momento de sua adição, pode conferir à cerveja mais amargor, sabor, aroma. Buscando potencializar essas características, preservando o máximo de óleos voláteis, muitos cervejeiros se utilizam da técnica do dry hopping – adição de lúpulo após o mosto ter sido resfriado. Pode ser usado das três formas: extrato, flor e pellets. E quanto mais lúpulo se coloca, mais aroma se extrai. Segundo Idney Nuno José da Silva, sócio-proprietário e mestre-cervejeiro do The Liffey Brew Pub (SC), a técnica é utilizada em todos os estilos que pedem um aroma de lúpulo de forma mais efetiva (basicamente as cervejas americanas): American Pale Ale, American India Pale Ale, English India Pale Ale e, recentemente, nas New England India Pale Ale. Ele lembra que o BJCP 2015 apresentou várias categorias de IPA: Belgian IPA, Brett IPA, White IPA. E aconselha quem quiser se aventurar no dry hopping a ler cuidadosamente os guias de estilos, seja BJCP ou BA. 

 

 

Quer ler esta matéria na íntegra? Adquira já sua edição #28!