A ebulição da tardia revolução craft uruguaia

Não demora muito para qualquer bom bebedor que chegue por aqui perceber que as IPAs (e todas as suas variações) ditam o ritmo da cena cervejeira uruguaia. A oferta é ampla e a sua presença é garantida em praticamente todos os bares da cidade.

O sucesso tremendo do estilo tem origem nas raízes culturais, e os  próprios uruguaios explicam: o amargor acentuado das IPAs remete à bebida nacional do país, o mate. Chamado por alguns brasileiros de “chimarrão uruguaio”, ele é bastante amargo e está presente em todos os momentos do dia a dia dos cidadãos.

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição #37 da Revista da Cerveja.

Foto: Victor Kling

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*