Caropreso com cerveja: a festa é nossa!

Por Luiz Caropreso, sommelier de cervejas, professor pela Doemens Akademie e diretor da BeerBiz – Cultura Cervejeira.

Na realidade, a festa é nossa!

Olá meus amigos cervejeiros que ainda acreditam na magia do Natal. Se 2017 foi um ano difícil para todos, podemos dizer que as boas cervejas amenizaram nossas dores. Apesar da crise, o segmento cervejeiro brasileiro evoluiu muito, em se tratando das cervejas especiais. Tenho acompanhado de perto a criação de novas fábricas, de inumeras cervejarias ciganas e cervejeiros caseiros a todo vapor pondo sua criatividade para trabalhar.

É com enorme felicidade também que vejo várias e varias pessoas se empenhando em pesquisas e experimentações com leveduras, maltes e lúpulos com DNA e terroir “brazucas”. A meu ver, este é o caminho para nossa tão sonhada Escola Cervejeira Brasileira.

Bem, vamos ao que esta coluna se propõe. Decidi sugerir para vocês harmonizações com pratos típicos, que costumam ser servidos nas mesas brasileiras nas festas de final de ano, com cervejas medalhadas no M Beer Contest 2017, do último Mondial de la Bière que tive a oportunidade de avaliar para a próxima edição impressa da Revista da Cerveja.

 

1848 Oktoberaufstand com mix de frutas secas e castanhas

 

Em muitos lares, começamos a “comilança” com potes de mix de nozes, amêndoas, macadâmias, passas, damascos, pistaches, castanhas de caju e do Pará (do Brasil) etc ( só não coloquem aqueles amendoins coloridos, por favor). Esta Vienna Lager de 5,4% ABV, colaborativa da Antuérpia com a Motim, entra lindamente na taça, com um âmbar escuro acobreado e boa formação de espuma. Aromas e sabores de cereais e caramelo envolvem o palato, seguidos por um final seco, que pede mais um gole.

Uma excelente opção para iniciar os trabalhos de uma noite feliz.

 

Roter Sour da Cervejaria Roter com leitoa pururucada

Para um prato mineiro, uma cerveja carioca, de Barra do Piraí – RJ. Fiquei surpreendido com a delicadeza dessa Sour, Ela tem um equilíbrio raro para o estilo. Elegante, com 7,5% de ABV, tem uma coloração castanha com feixes acobreados. Na boca, antes da acidez que lembra aceto balsâmico, se apresenta levemente adocicada, com aromas frutados trazidos pelos morangos usados em sua maturação. Sabores de caramelo e de malte também estão presentes. Uma parceira deliciosa para a leitoa, Sugiro que se acompanhe com uma farofa bem rica, com frutas secas, bananas passas e bacon.

 

Carvoeira da Lohn Bier com risoto de funghi secchi

 

Nas ceias de minha família é tradição sempre servirmos um risoto, feito com arroz arbóreo para ficar bem cremoso. O Risoto de funghi secchi porcini é o mais afamado. E a Carvoeira, elaborada pela  Lohn Bier, de Lauro Muller – SC, dentre seus ingredientes, leva esse cogumelo seco, que lhe traz notas terrosas e defumadas. Uma Imperial Stout negra, de excelente formação de espuma, harmoniza por semelhança com o prato. Seus 9,5% de álcool se encarregam de limpar do palato qualquer vestígio de gordura deixado pela manteiga, que finaliza o risoto, e acalenta o retro gosto com um leve torpor.

 

Farra #1ANO com tiramissu

Em muitas casas de origem italiana o tiramissu é um dos doces servidos na ceia de final de ano. Preparado em camadas , com biscoitos do tipo champanhe, regado suavemente com café, creme a base de queijo mascarpone e raspas de chocolate, posso dizer que é um doce reconfortante. Assim como esta bela edição comemorativa da cervejaria carioca Farra. Uma Oatmeal Stout cremosa, com 7,6% de álcool e inebriantes aromas de chocolate, tostados, baunilha, coco, café, caramelo e algum licor emprestado pelas barricas de carvalho onde ficou maturando.  Pode apostar nessa combinação. Será um sucesso.

 

Backer Reserva do Proprietário com ambrosia e queijo minas frescal

Aqui está uma prova de que o simples e o sofisticado podem se juntar harmoniosamente, trazendo sabores inimagináveis. Resolvi juntar um doce muito tradicional das plagas gaúchas, a ambrosia, com o mineiríssimo queijo frescal para harmonizar com essa preciosidade elaborada pela cervejaria Backer de Belo Horizonte – MG. A Reserva do Proprietário é uma Old Ale com 10,5% ABV, numerada, assinada e envelhecida em madeira desde 2016. Apresenta-se na cor castanho escuro com feixes acobreados e tem espuma de média formação, que se esvai rapidamente, como era esperado, em função do alto teor alcoólico. Destacam-se os aromas de cereais e destilados. Termina com um final seco, que convida a um doce caseiro, por exemplo, para trazer equilíbrio ao palato e conforto ao espírito.

Obs.: Aconselho comprar 2 garrafas. Abra uma agora e guarde a outra para daqui uns 5 anos ou mais. Ela, com certeza, estará muito melhor.

 

Desejo de coração que todos tenham um Natal abençoado e que 2018 venha vibrante, vigoroso, repleto de excelentes cervejas e muitas alegrias.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*