De forma inédita, Blondine lança cerveja 0.0% sem processo de dealcoolização

Marca destaca-se ao apresentar processo inovador que faz possível a bebida com resíduo alcoólico totalmente zerado.

Espaço dominado pelas grandes cervejarias, o segmento de cervejas 0% álcool terá um novo movimento com o lançamento do rótulo Blondine 0.0%. A microcervejaria com fábrica em Itupeva apresentou um rótulo que não passa por dealcoolização e com zero resíduo alcoólico.

Foram dois anos de estudos por novos processos e um investimento de R$ 120 mil para que fosse possível entregar a Blondine 0,0%. A marca contou ainda com parcerias milionárias, como uma multinacional no segmento de Bioscience, e também a Anton Paar, multinacional atuante em equipamentos de precisão em análises laboratoriais. 

Para o lançamento, a cervejaria apresenta produção em pequena escala de dois estilos: A Blondine 0.0% Session IPA e a 0.0% Session IPA com Maracujá. Além dessa novidade, a Blondine apresentará, em breve, outras criações no segmento, abrindo o leque para diversos estilos e também a inclusão de frutas.

“A cerveja 0,0% foi apenas o primeiro passo para uma linha de cervejas inovadoras que iremos lançar. Começamos pelo que parecia impossível, criar uma cerveja 0,0% e na sequência teremos novidades no portfólio que a partir deste produto cria-se uma linha de cervejas wellness com ênfase no bem estar e saúde, como por exemplo a cerveja Sports, uma Light Lager que ganhou medalha de bronze no Concurso Brasileiro de Cervejas 2021, antes mesmo de ser lançada.”, diz Aloisio Xerfan, fundador da Blondine.

Quanto aos consumidores, a companhia acredita que a companhia acredita que deva atingir diferentes públicos: “São pessoas maiores de 18 anos que estão em momentos específicos da vida, que demandam não consumir álcool, como treinos de esporte, dietas restritivas, tratamentos médicos, grávidas, lactantes, motoristas, profissionais em reunião, grupos de estudo e outras muitas ocasiões que levam a uma vida de cerveja sem álcool. Claro que ressaltamos sempre consultar o profissional de saúde para acompanhamento do consumo”, afirma Aloisio. 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*