Especial: lúpulo crescendo muito bem no Brasil

Podemos dizer que existe hoje no país uma incipiente cadeia produtiva do lúpulo. Para desvendar esse novo universo, preparamos uma ampla abordagem sobre o tema, dividida em uma pequena série de duas edições, esta e a próxima, devido a riqueza e complexidade do assunto. Insumo fundamental para viabilizar a produção cervejeira do país, a planta envolve uma diversificada cadeia, do plantio à pesquisa.

Primeiro, existem as dificuldades de adaptação nos aspectos climáticos deum país tropical. Alguns duvidaram da sua sobrevivência aqui, já que ele é (ou era, até então) um produto típico dos países frios. Com a produção, voltada exclusivamente para microcervejarias, concentrando-se nos estados de MG, PR, RJ, RS, SC, SP, a novidade são os bons resultados em Brasília, com o seu clima notoriamente seco e tórrido. Para traçar um pequeno painel do lúpulo no Brasil, ouvimos especialistas e aqueles que estão envolvidos diretamente nesse desafio.

“Assim como com qualquer planta a ser cultivada, um conjunto de fatores deve ser observado no seu  plantio, pois todos eles são importantes para a produção de lúpulo: clima, quantidade de horas/sol, tipo de solo, relevo, adubação, manejo do cultivo”, começa explicando o produtor rural e presidente da Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo (Aprolúplo), Alexander Creuz, de 43 anos. Para uma bem-sucedida produção, ele ressalta o papel do manejo, em todas as suas etapas — preparo do terreno, adubação, condução das plantas, escolha de variedades que melhor se adaptarão nas regiões, época de plantio, irrigação, adubação, época e ponto de colheita e, novamente, o manejo, agora das plantas pós-colheita.

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição #36 da Revista da Cerveja.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*