Extratos e óleos de lúpulo

Produção: Andréia Ramires e Letícia Garcia | Texto: Emílio Chagas | Foto: Divulgação LNF

Ofato é que só mais recentemente o extrato vem sendo intensamente descoberto. Na Europa e nos EUA, o seu uso já é bem desenvolvido, e no Brasil as grandes cervejarias e diversas artesanais de porte maior também já utilizam o insumo nas suas produções, enquanto o mercado artesanal está apenas começando a descobrir suas vantagens e avaliando as suas opções.

Alfredo Desco de Almeida, engenheiro químico, mestre-cervejeiro pela VLB Berlin e MBA pela Saint Mary’s University, do Canadá, juntou-se ao Grupo Barth-Haas em 2009, onde hoje é o diretor de vendas internacionais. No Brasil, a LNF Latino Americana (RS) importa lúpulos exclusivamente da Barth-Haas da Alemanha, Austrália e Estados Unidos. Ele reforça a distinção entre extrato de lúpulo e óleo de lúpulo.

“São produtos totalmente diferentes. Os extratos de lúpulo são preparados a partir de lúpulo ou pellets de lúpulo, usando dióxido de carbono no estado supercrítico, e contêm os alfa-ácidos, beta-ácidos e óleos essenciais do lúpulo. O chamado ‘extrato CO2’ oferece à cervejaria um produto de lúpulo concentrado. Já os óleos do lúpulo representam apenas uma fração do extrato.”

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição 46 da Revista da Cerveja.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*