História: Hildegard von Bingen

Hildegard

Abadessa, pregadora, naturalista e muito mais, ela foi a primeira a registrar a capacidade de o lúpulo  conservar as bebidas. Em plena Idade Média, Hildegard produziu, ao longo de toda a sua vida, inúmeras obras que abordavam desde teologia até botânica.

Como definir essa mulher? Hildegard von Bingen, ou Hildegarda de Bingen, não se limitava a ser uma coisa só. Com interesses abrangentes, ela foi abadessa, profetisa, teóloga, compositora, pregadora, naturalista, médica informal, poeta, escritora, botânica. Isso tudo na Idade Média, uma época extremamente restritiva às mulheres.

Barbara J. Newman, doutora em Estudos Medievais, escreve na introdução de “Scivias” (Paulus Editora, 2015) que a vida de Hildegard foi um misto de opressão (de gênero) e de privilégio (de classe social). Hildegard acabou encontrando espaço a partir de sua nobre origem e das portas que a vida eclesiástica lhe abriu.

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição #36 da Revista da Cerveja.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*