Importando e produzindo

Texto: Letícia Garcia | Foto: Juliane Sturm

O fundador da Bier & Wein e da Cervejaria Paulistânia fala sobre os primeiros anos de importação de cervejas especiais para o Brasil, da fundação da Paulistânia e das suas perspectivas para o setor.

Carioca por nascimento e paulistano por vivência, Marcelo Thyse de Azevedo Stein, 54 anos, é formado em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP — mas as suas atividades tomaram um novo rumo logo que se formou. “Meu primeiro emprego depois de sair da faculdade foi para uma empresa americana de consultoria, e ali eu aprendi a fazer consultoria para empresas das mais diversas. Três anos e meio depois, eu saí e comecei a fazer consultoria por conta própria”, conta.

Nos anos 1990, Marcelo começaria a trabalhar com cerveja e encontraria o seu caminho na importação. Hoje, a Bier & Wein é a mais longeva importadora de cervejas especiais e conta com uma marca própria de cerveja artesanal, a Paulistânia. Marcelo, assim, tem uma diversa experiência do mercado, que compartilha a seguir.

Como você resolveu trabalhar com cerveja?

Depois de sair da empresa de consultoria, começou a minha jornada empreendedora. Foi quando tomei a decisão de fazer projetos por conta própria. Fiz alguns, sempre envolvendo sistemas e reestruturação organizacional e administrativa das empresas. Em 1991, acabei vendendo um projeto para um alemão que, na época, distribuía a Cerpa (PA) em São Paulo. Esse alemão, Manfred K., inclusive, tem um papel de destaque na história da cerveja no Sudeste brasileiro. Na época, início da década de 1990, não tinha nenhuma cerveja diferente no Brasil: você tinha Brahma, Antarctica, Kaiser.

Nesse cenário, o alemão, que já vendia um pouquinho de vinho, descobriu que no Pará havia uma cervejaria que fazia uma cerveja diferenciada. Ele desenvolveu um projeto de trazer a cerveja lá do Pará numa carreta aqui para São Paulo. E eu, então, em 91, vendi para ele um projeto de reestruturação comercial. Ele comprou o projeto e, durante um ano e meio, eu administrei essa equipe que vendia Cerpa em São Paulo. Minha entrada no mercado cervejeiro se deu por meio dessa marca e eu aprendi sobre cerveja, sobre vender cerveja e sobre a gestão de uma equipe de vendas de cerveja.

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição #42 da Revista da Cerveja.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*