Mestre-cervejeiro: Diego Gomes

Diego Gomes

Mestre-cervejeiro e diretor industrial da Black Princess, de Petrópolis/RJ, cervejaria do Grupo Petrópolis, 32 anos, o paulista Diego tem uma consistente formação profissional: é engenheiro de alimentos, tecnólogo sucroalcooleiro, tendo se formado mestre-cervejeiro e mestre-malteiro em julho de 2011 pela Doemens Akademie, em Grafelfing, na Alemanha. 

“Viver esses dois mundos por esse tempo foi uma experiência única e contribuiu bastante”, diz ele, que  começou cedo, aos 16 anos, como trainee de cervejeiro. No final do treinamento, foi convidado para fazer parte do programa de mestre-cervejeiro da Black Princess com destino a Alemanha.

E foi nessa condição que trabalhou na Unidade de Petrópolis, onde assumiu, mais tarde, a gerência de operações industriais corporativa, sendo responsável por brassagem, fermentação, maturação, filtração e envase de seis cervejarias.

Em 2014, assumiu também as responsabilidades de diretor industrial, mas faz questão de viver o chão de fábrica. Para ele, a rotina de um mestre-cervejeiro é como a de um guardião dos caminhos tecnológicos escolhidos para conduzir os processos de produção.

Considera três pilares importantíssimos durante o processo de criação cervejeira: referência, arte (a Brauerei philosophie) e o consumidor. “Olhar para os consumidores analisando perfil, comportamento, e respeitar as suas considerações é fator crucial de sucesso no processo de criação.”

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição #36 da Revista da Cerveja.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*