New England Beer Calling — Washington DC: a cerveja na capital dos Estados Unidos

Por Thiago Martini, beer sommelier, juiz BJCP, Certified Beer Server Cicerone e cervejeiro caseiro.

É chegado o último destino da aventura em busca de cervejas fora das fronteiras da Nova Inglaterra. Sai de Boston, passei por Nova Iorque e Filadélfia, e agora chego na capital dos Estados Unidos: Washington DC.

A cidade é batizada com o nome de um dos principais personagens da revolução americana e primeiro presidente do país, George Washington, que além de ter sido um exímio político e militar, era também cervejeiro caseiro. Isso mesmo, ele fazia sua própria cerveja, e uma de suas receitas está preservada na biblioteca pública de Nova Iorque.

Uma cidade bastante turística não só pelos monumentais prédios públicos federais, como a Casa Branca e o Capitólio, mas também por conter um grande número de museus para todos os tipos de interesses, e todos com entrada livre. A locomoção a pé é muito fácil, pois a cidade é bem planejada, com ruas largas e quando bate o cansaço da caminhada, surge sempre um patinete elétrico para facilitar a vida.

Com relação a cena cervejeira, Washington DC conta hoje com 14 cervejarias, produzindo cerca de 4 milhões de litros por ano. Constatei que a produção local é conservadora, sem muita ousadia, produzindo principalmente estilos da escola americana e inglesa. Mas não acredito que isso seja negativo, pelo contrário, penso que é apenas um reflexo da cultura local, considerando se tratar de uma cidade que recebe pessoas de todo o país para morar e trabalhar nos órgãos governamentais, e essa, talvez, seja a forma mais assertiva de agradar um público tão plural.

Visitei quatro cervejarias. Na região mais central da cidade, o Capitol City Brewing e a District Chop House, sendo este último ficando ao lado da arena Capital One e recebe diariamente fãs do basquete e hóquei. Os dois brewpubs têm um ar de “sports” bar, que é um conceito bem comum nos Estados Unidos. Nos dois locais encontrei muitas cervejas de estilo inglês como Brown Ale, Porter e Stout, mas sempre tem aquela American IPA para os lúpulo-maníacos de plantão.

Saindo da região central, encontrei duas cervejarias que, particularmente, gostei mais. A Bluejacket, um brewpub muito legal, bem planejado e com ótimas cervejas como uma Berliner Weisse com morango e baunilha, e a Red Bear e sua bela coleção de American IPAs, tendo disponíveis no dia duas NEIPAs e alguns estilos belgas como uma Saison com alecrim, isso mesmo, pode parecer um pouco estranho mais estava bem sutil e casou muito bem com o estilo.

Enfim, chegamos ao fim desta aventura cervejeira por alguns lugares fora da região da Nova Inglaterra. Cada vez estou mais convencido de que, na prática, as New England IPAs tomaram conta da cena cervejeira também fora da região de onde surgiu. A minha torcida é: vida longa as New England IPA. Grande abraço e boas cervejas!

>> Leia a última coluna de Thiago Martini

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*