Orval, a cerveja do Vale de Ouro

As sommeliers Daiane Colla e Fernanda Meybom desvendaram os segredos de uma das cervejas mais icônicas do mundo. Em uma visita exclusiva a Brasserie D´Orval e a Abbaye Notre Dame D´Orval, descobriram detalhes do processo dessa cerveja que se mantém fiel à sua receita há 87 anos, pode ser degustada fresca ou com anos de guarda e que encanta não só pela sua complexidade de sabores, mas também pela sua capacidade de ser várias cervejas em uma só.

A Brasserie D’Orval, uma das seis cervejarias trapistas da Bélgica e uma das 13 do mundo, está localizada no sul da Bélgica, na província de Luxemburgo. O nome da abadia provavelmente derivou do nome céltico do rio que corta o vale, o Rio Aura. Mais tarde, o vale passou a ser chamado de Aureavallis e, com tempo, adaptado para Vale de Ouro. Porém, a denominação da abadia está mais conectada a algumas lendas da região, sendo que a mais famosa delas é a lenda da condessa viúva Mathilda da Toscana que acidentalmente derrubou o seu anel de casamento em uma fonte e assumiu que estava perdido.

Ela rezou a Deus pelo retorno do seu anel, prometendo construir uma grande abadia no local se ela voltasse a vê-lo. Dentro de momentos, uma truta nadou até a superfície com o anel em sua boca. Dizem que ela exclamou: “Este lugar é verdadeiramente um ‘val d’or’”, que significa “vale de ouro”, e estabeleceu uma igreja no local conhecido como Orval. A truta com o anel na boca continua a ser o símbolo da abadia. E a fonte tem uma importância singular no que a Orval se tornou, uma abadia próspera e uma cervejaria que encanta apreciadores ao redor do mundo.

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição #39 da Revista da Cerveja.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*