Profissão Cerveja – O guia de estilos de cerveja europeu (comentários parte 2)

Por Fernanda Meybom, engenheira química, sommelier e Mestre em Estilos e Avaliação de cervejas.

Na primeira parte do texto sobre o Guia de Estilos do Europeans Beer Consumers Union – EBCU, eu terminei com a seguinte frase:

“Na fabricação de cerveja contemporânea, a diferença entre Lagers e Ales é mais teórica do que prática.”

Seguindo esse conceito, a principal separação do guia se refere às famílias das Lagers e das Ales, o que não é uma grande novidade em se tratando de guia de estilos. Porém, um outro destaque não tão comum, se refere a diferenciação do industrial para o artesanal.

Desde o início da cerveja comercial, quando as cervejas eram feitas em fogões de casa antes de serem vendidas a outros moradores, os cervejeiros viviam entre duas demandas conflitantes – fazer cerveja boa o suficiente para saborear, mas barata o suficiente para poder pagar.

Além disso, a tecnologia de fabricação de cerveja tem melhorado ao longo dos anos, mas a industrialização da fabricação de cerveja vista hoje começou a surgir na Europa após a Segunda Guerra Mundial, à medida que métodos de fabricação de cerveja inspirados nos EUA e em modelos de negócios se solidificaram.

Portanto, o guia sugere esta nova divisão devido fundamentalmente, às diferentes cervejas que começaram a aparecer no final do século 20. As cervejas feitas com especificações “industriais” e aquelas consideradas mais autênticas, ou “artesanais”. Embora essa distinção seja a chave para entender a cerveja hoje, nenhum desses termos é fácil de definir, segundo o EBCU.

O ressurgimento do interesse pelas cervejas mais complexas e com mais sabor, que agora são chamadas de “tradicionais”, “históricas”, “artesanais”,

ou “especiais”, começou na década de 1970 e se fortaleceu com a chegada da internet e das mídias sociais no início do século XXI.

A seguir as divisões do guia e alguns comentários:

INDUSTRIAL LAGERS: inclui as Lagers comerciais mundialmente famosas e consumidas (light, ice…)

 

  • AUTHENTIC LAGERS: inclui clássicas e tradicionais lagers.

    • AUTHENTIC BLOND LAGERS

    • AMBER LAGERS

    • BROWN LAGERS

    • STRONGER LAGERS

    • OTHER AUTHENTIC LAGERS

  • THE WORLD OF ALE: grande e tradicional grupo, com estilos históricos e suas versões atualizadas. Alguns estilos com indicativo de seu local de origem.

    • SESSION STRENGTH ALES

      • BELGIAN SESSION ALES

      • BRITISH SESSION ALES (English)

      • BRITISH SESSION ALES (Scottish)

      • FRENCH SESSION ALES

      • GERMAN SESSION ALES

      • IRISH SESSION ALES

      • NORTH AMERICAN SESSION ALES

    • SAMPLING STRENGTH ALES

      • BELGIAN SAMPLING ALES

      • BRITISH SAMPLING ALES

      • FRENCH SAMPLING ALES

      • NORTH AMERICAN SAMPLING ALES

    • SIPPING STRENGTH ALES

      • BELGIAN SIPPING ALES

      • BRITISH SIPPING ALES

      • OTHER SIPPING ALES

  • SPECIFIC STYLE CLUSTERS

    • STOUTS AND PORTERS

      • PORTERS

      • SWEET STOUTS

      • DRY STOUTS

      • STRONGER STOUTS

      • SPECIALTY STOUTS & PORTERS

    • WHEAT BEERS

      • SESSION STRENGTH WHEAT BEERS

      • STRONGER WHEAT BEERS

    • BEERS FROM OTHER GRAINS

    • MIXED FERMENTATION STYLES

      • SAISONS

      • LAMBICS

      • OAK-AGED ALES

      • OTHER SOUR, WILD & FRUIT BEERS

  • REGIONAL SPECIALITIES: destaque para estilos específicos de alguns países.

    • BELGIUM

    • FINLAND

    • GERMANY

    • ITALY

    • POLAND

    • FOLK BEER STYLES

Cabe ressaltar que o novo guia traz um descritivo simplificado da cerveja, colocando algumas características fundamentais do estilo e informação histórica, quando for o caso. É um guia mais resumido que o Brewers Association – BA, que ainda é o mais utilizado nas competições de cerveja comerciais.

O BJCP continua sendo um guia com mais informações sobre estilos de cerveja, porém suas diretrizes são direcionadas aos cervejeiros e competições de cerveja caseira, apesar de que no Brasil, diversas cervejarias o utilizam como referência.

De fato, não existe guia de estilos de cerveja melhor ou pior que o outro, pois tudo depende da razão pela qual você está utilizando o guia. Todos os guias possuem especificidades que vão muito bem para diferentes finalidades e, acredito que seja bom termos mais e mais referências para avaliações e pesquisas de cerveja.

Guias não são manuais de regras, mas sim como o próprio nome diz, são guias, algo que serve para nos orientar nesse universo maravilhoso de diferentes culturas e cervejas.

E você, tem algum preferido?

Fonte:

https://www.ebcu.org/the-beer-styles-of-europe-and-beyond/

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*