Turismo cervejeiro — Consolidando o turismo cervejeiro no Brasil

Por Ana Pampillon, turismóloga, sommelier de cervejas, coordenadora da Rota Cervejeira RJ e atuante no mercado de lúpulo brasileiro. 

Hoje represento a Rota Cervejeira RJ na Câmara Setorial da Cerveja, dentro do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Nessa Câmara Setorial encontram-se várias associações nacionais e regionais que representam toda a cadeia produtiva da cerveja.

Em uma das reuniões da Câmara, que acontecem a cada três meses, tive a oportunidade de apresentar o projeto da Accerj-TUR, Associação turística das cervejarias e cervejeiros do estado do Rio de Janeiro, mais conhecida como ROTA CERVEJEIRA. Desde então, olhares se voltaram para a pauta e deu-se um acordo de cooperação técnica entre os Ministérios da Agricultura e do Turismo e, com isso, me orgulho muito de hoje coordenar um GT de turismo cervejeiro no país.

Na última semana, recebemos um grupo que está desenvolvendo o roteiro turístico cervejeiro na região de Sorocaba/SP. Essa troca, a oportunidade de aprendermos uns com os outros é de fundamental importância para  que seja instituído o turismo cervejeiro no país. No Brasil, onde o turismo tem um papel importante, é de grande relevância iniciativas como esta, também do ponto de vista econômico.

O turismo cervejeiro do Brasil ainda não chama a atenção nas principais listas de turismo ao redor do mundo. Essa união e fortalecimento de rota, roteiros e circuitos cervejeiros pretende nos colocar nessa lista. A rota cervejeira RJ hoje contempla cinco municípios e 24 cervejarias, que estão preparadas para receber os turistas com experiências diversificadas. Nos próximos seis meses, incluiremos nos roteiros as plantações de lúpulo que estão se consolidando em solo nacional, tempo no qual todos devem estar preparados e atentos para um bom atendimento ao visitante.

Não precisaremos somente abrir as porteiras das fazendas, e sim ter infraestrutura e organização para uma boa experiência, em que o turista realmente se encante, surpreenda-se com o que está vivendo e saia espalhando aos quatro ventos o quão boa foi sua visita, multiplicando esse potencial. Voltando ao que vou chamar de “benchmark” com a equipe de Sorocaba e Salto de Pirapora, vou contar um pouquinho do que mostramos por aqui. Lembrando que aguardamos o momento certo para a reabertura das cidades, com as cervejarias e visitantes usando de todos os protocolos de segurança.

Escolhi o roteiro Petrópolis–Teresópolis por serem cidades próximas uma da outra, facilitando a maratona. Tínhamos apenas três dias de visitação, na Serra Verde Imperial. Tivemos a oportunidade de percorrer as cervejarias Brewpoint, Colonus, Doutor Duranz, Bohemia, Sampler, Duas Torres, Brassaria Matriz, em Petrópolis, e Vila Sankt Gallen (a casa da cerveja Therezópolis ), a plantação de lúpulo e o centro cervejeiro da Serra (do Grupo Petrópolis) e a cervejaria Mad Brew, em Teresópolis.

Mostramos também para o grupo as parcerias que acontecem com as agências de viagens, guias, restaurantes e hotéis, assim como a parceria com o poder público, representados aqui pelos secretários de turismo de ambas as cidades. Agradeço aos parceiros: Terra Brasilis Turismo, Jeeptour RJ, a guia Susi Lima Barreto, aos hotéis Casablanca Center, e Pousada Tereparque, assim como todas as cervejarias que abriram suas portas para receber e encantar esse seleto grupo.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*