Um passeio pelo Velho Mundo — República da Catalunha

Linus de Paoli

Por Linus De Paoli, cervejeiro caseiro, Certified Cicerone®, engenheiro de desenvolvimento de veículos e guia etílico-turístico.

Na Europa existiram e ainda existem várias “linhas” que dividem o continente. Meridiano de Greenwich, Cortina de Ferro, Fronteira Kölsch-Altbier, Weißwurst Equator (um dia eu explico o que é e onde fica), Europa Católica vs. Protestante, Idiomas Latinos e não Latinos, Vinho vs. Cerveja, etc.. Mas talvez a mais relevante — e de certa forma conectada com esta última — seja a linha imaginária que divide a Europa Cervejeira Tradicional, principalmente Alemanha, Bélgica e Reino Unido, da Moderna (o resto).

E se me fosse dado o poder de escolher uma capital desse modernismo cervejeiro europeu eu escolheria Barcelona na Espanha, ops, na Catalunha. Barcelona é mais conhecida pela sua mais famosa obra inacabada e expoente do modernismo catalão, a igreja Sagrada Família, projetada pelo arquiteto catalão Antoni Gaudi.

Talvez o que só os arquitetos que não dormiram na aula de história da arquitetura na faculdade — ou aqueles que como eu são filhos de arquiteto — saibam, é que Gaudi, além de brilhante em suas formas orgânicas, foi também um estudioso do cálculo estrutural e usava sempre modelos tridimensionais para finalizar seus projetos. E são essas características do rigor técnico aliado a uma bela dose de modernismo e arte que também caracterizam a cena cervejeira na Catalunha.

Foto: Linus de Paoli

Com tanta coisa para ver e beber por onde começar então? As Ramblas? Epicentro da vida turística da cidade? Talvez. Lá perto você já encontra, em algumas travessas dessa via principal, dois bares interessantes mas que não podiam ser mais diferentes. Depois de deixar uns trocados para o sósia do Ronaldinho Gaúcho nas Ramblas, vá até a Carrer del Carme 7 visitar o Beer’linale, nome inspirado talvez no famoso festival de cinema da capital alemã.

Este bar mistura uma belíssima decoração com tijolo aparente nas paredes com ladrilhos hidráulicos e um ambiente bem iluminado, ótima comida, sejam tapas para petiscar ou pratos para almoçar/jantar, e 30 opções de cervejas locais on tap, além de várias opções em garrafa.

Próximo dali, em uma esquina meio escondida na Carrer de l’Hospital 74, fica o Ølgod Craft Beer Bar. Esse já com um ambiente mais punk alternativo, com iluminação fraca, decoração mais despojada e punk rock rolando no áudio. Aqui, além da ótima música, a seleção de cervejas é mais internacional que no Beer’linale, mas ainda com uma boa dose de cervejas locais.

Mas Barcelona é muito mais que a região das Ramblas. Lembre-se que a cidade é uma cidade litorânea com uma bela praia que, independente de ser verão ou inverno, vale a pena visitá-la. Recomendo primeiro ir a pé até o porto novo e admirar o belo prédio do Museu de História da Catalunha. E se não quiser visitar o museu pelo menos visite a Blacklab Brewhouse & Kitchen que fica no mesmo prédio.

Este moderno brewpub que tem boas cervejas feitas no local e música ao vivo a noite, tem também uma boa área externa para aproveitar aquelas noites quentes de verão. A praia fica alí do lado no bairro da Barceloneta. Uma linda praia de areias brancas onde pode-se admirar a paisagem com uma latinha de cerveja comprada no mercadinho da esquina.

E se bater a fome um bom lugar para comer frutos do mar ou uma bela Paella nas proximidades é o restaurante Salamanca. Agora se quiser conhecer o boteco mais pitoresco da cidade vá a Bodega Fermin que fica no coração da Barceloneta. 10 torneiras de boas cervejas artesanais, vinho de garrafão e tampas autênticas, além do eventual cachorro da vizinhança que visita o local tentando ganhar uns petiscos marcam a experiência.

Vou precisar fazer um parêntese, para quem não sabe o povo local é bem bairrista. E um local cervejeiro que transpira esse bairrismo é o Craft Barcelona que fica no coração do bairro Gótico. Lá, apesar da decoração com marcas de cerveja internacionais, você só encontra cervejas catalãs. Muito boas, vale a pena a visita, mas a oferta é meio limitada.

Para ares mais cosmopolitas e internacionais daí vale a pena pegar o metrô até a estação Universitat a caminho do centro da cidade. Mas fique de olho nas notícias senão, pode ser que dê de cara com uma mega demonstração pela independência da Catalunha com mais de 1 milhão de pessoas (como aconteceu conosco quando estávamos visitando a cidade) e não consiga percorrer a pé os 450 m que separam essa estação do BierCab.

Rodeado por Barcelona Beer Company, Garage Beer Co, Kraftank, Brewdog e Mikkeller, o BierCab é parada obrigatória na cidade. O bar tem 30 torneiras que vão desde uma Ayinger Celebrator Doppelbock até uma Lervig Singularity NEIPA. Tem de tudo. E tem também uma das melhores bottle shops do continente na porta ao lado do bar. Fique de olho no site dos caras para saber bem o que te espera quando for visitá-los.

Com certeza Barcelona, como capital informal da Europa Modernista Cervejeira, tem muito mais opções de ótimos lugares para visitar e conhecer o que de bom acontece por aquelas bandas. Mas se conseguir ir a apenas alguns desses lugares acima entre um passeio pela praia, uma paella e uma visita ao Parque Guell já vai ter uma boa ideia do que se passa na capital da Catalunha quando o assunto é cerveja.

>> Leia a última coluna de Linus de Paoli

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*