Vinicius Troian Mezzari: “O cervejeiro precisa se desafiar”

O engenheiro mecânico de 34 anos, natural de Caxias do Sul/RS, faz cerveja desde 2014, tendo ingressado um ano mais tarde na CervaSerra, entidade cervejeira da sua cidade que é regional da Acerva Gaúcha. Ele arrebatou prêmios importantes do Concurso Nacional das Acervas 2019, realizado em Vitória/ES, entre eles 2º lugar no Best of Show.

Vinicius foi introduzido ao mundo das cervejas artesanais pelo amigo Fábio Lorenzini, que queria começar a fazer cerveja em casa. “Sempre fui apreciador de experiências sensoriais. Ele possuía um espaço legal e me convidou, junto com outro amigo, Cristiano Nunes. Isso acabou sendo o estopim para a entrada neste mundo”, resume.

De lá para cá, já foram mais de 160 brassagens, passando por 50 estilos, aproximadamente. E mais a produção paralela com o parceiro Fábio: três panelas de 100 a 200 L. Escola cervejeira que mais inspira? “Com certeza, a escola das belgas ácidas, pelo mistério e por toda história que carregam envolvendo envelhecimento em barris. E por manter esta conexão com o passado e com microrganismos tão originais e excêntricos. Também gosto muito da escola americana, pela inovação, ineditismo, drinkability — por ter popularizado o homebrew moderno.”

Quer ler a matéria completa? Adquira a edição #42 da Revista da Cerveja.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*