Turismo Cervejeiro — Vamos nessa?

Ana Pampillon é a nova colunista da Revista da Cerveja! Confira abaixo a primeira coluna:

Por Ana Pampillon, turismóloga, sommelier de cervejas, coordenadora da Rota Cervejeira RJ e atuante no mercado de lúpulo brasileiro.

Cursei Letras, tradutor/intérprete, depois veio o Turismo. O Turismo veio na época em que trabalhava como comissária de bordo na Varig (bons tempos!) e sempre pensava que tinha que estudar , enquanto engrenava em um novo trabalho.
Por oito anos fiquei entre voos nacionais e internacionais.

Pausa… Filhos pequenos, trabalhos mais normais, as responsabilidades de uma jovem mãe me fizeram ficar em terra firme.

Há mais de 15 anos, 10 anos pós-aviação, entrei para o mundo cervejeiro, passando por diversos setores na montagem de uma grande fábrica. Nessa ocasião, comecei a estudar RH, pois achava que tinha que aprender sobre “gente”, uma vez que estava formando equipes, capacitando e aprendendo o tempo inteiro no chão de uma fábrica. Aliás, aqui, meu desafio inicial, foi de compradora e, claro, lá fui eu para minha primeira viagem cervejeira, com a missão de adquirir insumos em uma grande feira em Nuremberg, na Alemanha.

A mosquinha de viagens já tinha me picado, e, depois dessa viagem, a picada da mosquinha cervejeira foi fatal. Na sequência, vieram os cursos mais voltados para esse universo, quando também senti a necessidade de saber mais, à medida que me apaixonava mais e mais pelo líquido sagrado.

Fiz cursos de cerveja artesanal, foram três no total, com grandes mestres. Depois veio o curso de sommelier e, por fim, o de mestre em estilos — neste ainda falta passar pela bendita banca!

E em que ponto o turismo e a cerveja se cruzaram no meu caminho?

Foi em 2014, quando a Região Serrana do Rio sofria o impacto das grandes chuvas na tragédia de 2011 e as cidades que viviam do turismo se viram praticamente sem turistas. Um berço esplêndido de cervejas boas e a cabeça engenhosa de um grande empresário fizeram parar em Brasília um projeto de turismo cervejeiro, para fomentar economicamente toda a Região Serrana, unindo quatro municípios, grandes e pequenas cervejarias, seis na época.

Neste momento, juntar em uma mesa grandes cervejarias foi um superdesafio. Mas foi lindo!

Superada a fase inicial, tudo correu muito rápido, a partir da formação da Associação Turística das Cervejarias e Cervejeiros do Estado do Rio de Janeiro (Accerj-TUR). Hoje somos 23 cervejarias associadas, com possibilidade de, até o final de março, atingirmos o número de 30 cervejarias.

Onde eu entro nessa história? Ahhh… a paixão por cerveja e a paixão por viagens me fizeram colocar esse projeto debaixo do braço e trabalhar por ele, fortalecendo o associativismo e ajudando essas cervejarias a formatarem produtos para serem colocados nas prateleiras das agências.

Hoje o turismo cervejeiro tem trazido muita gente para essa região, na mesma medida que outras regiões estão antenadas ao que acontece na Serra Verde Imperial. Tanto que, vez ou outra, tenho o prazer de ser convidada por outras cidades do país e de fora do país para falar desse lindo projeto.

Falar de turismo cervejeiro virou outra grande paixão e vou dividir com vocês muitas aventuras, cervejeiras e não tão cervejeiras, mas que, com certeza, farão vocês terem vontade de beber na fonte.

Prosit 🍻

2 Comments

  1. Adriana Maria de Aquino

    Que história linda Ana. Não dúvidas de que muitas outras virão.. Parabéns! Merecido

  2. Adriana Maria de Aquino

    Que história linda Ana. Não tenho dúvidas de que muitas outras virão! Parabéns Oportunidade merecida.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*