Um passeio pelo Velho Mundo — Bélgica

Por Linus De Paoli, cervejeiro caseiro, Certified Cicerone®, engenheiro de desenvolvimento de veículos e guia etílico-turístico.

Uma das grandes vantagens de morar em Colônia na Alemanha é que basta 1 hora de carro e já estamos na Bélgica. Conhecida como o “Campo de Batalha da Europa” é para nós cervejeiros o paraíso na terra com suas aproximadamente 250 cervejarias. Com tanta opção fica até difícil decidir onde ir, qual cidade visitar, qual cervejaria conhecer e qual cerveja beber. Se em algum bar cervejeiro no Brasil você já se sentiu sobrecarregado com tantas opções de cerveja pra beber, na Bélgica essa sensação é constante e muito maior, pois as opções parecem sempre infinitas e maravilhosamente interessantes.

Além de Bruxelas existem várias cidades que valem a pena serem visitadas, como Bruges, Antuérpia, Leuven, Liege, Ghent, Hasselt, além de inúmeras vilinhas espalhadas pelo país. Como não dá para falar sobre todas vão aqui algumas que com certeza valem a pena serem visitadas.

Antuérpia, cidade portuária famosa pelo comércio de diamantes tem também ótimas opções de turismo e turismo cervejeiro. E para visitar a cidade ficam duas sugestões, vá de trem e no final de semana. De trem porque a cidade tem uma das mais bonitas estações de trem da Europa, e ali perto fica a China Town, bairro asiático da cidade, que vale a pena ser visitado.

Além desses pontos turísticos tente visitar também a praça do Grote Markt, a Rubenshuis e passear pela margem do rio. E vá nos finais de semana porque aos sábados na praça do Stadsschouwburg Antwerp acontece o Exotic Food Market que tem muita opção de comida local boa, como os famosos Croquetes Belgas e um café orgânico servido por um italiano super gente boa.

Falando de cerveja a cidade tem ótimas opções como o famoso Cafe Kulminator (point de raras cervejas belgas), o Billie’s Bier Kafetaria (bar organizado de um dos melhores festivais de cerveja desses lados da Europa) e o Oud Arsenal, meu preferido, não pela carta de cervejas, mas pela atmosfera de buteco da vizinhança e pelos 2 gatos residentes do bar que ficam circulando e se esfregando nas pernas dos clientes.

Bruges, quase no litoral do país, também conhecida como a Veneza do Norte, é um show a parte. Não preciso nem dar muitas dicas afinal basta se perder pelo centro histórico da cidade para perceber que não há uma ou outra atração turística principal na cidade, e sim a cidade que é a atração. Com duas cervejarias no centro da cidade, na dúvida visite as duas (De Halve Maan e Bourgogne des Flandres) e depois basta sentar em qualquer café na praça do Grote Markt e apreciar o ritmo calmo da cidade tomando uma bela cerveja belga. Outros pontos interessantes da cidade são o bar Le Trappiste e o restaurante De Vlaamsche Pot.

Perto de Bruxelas fica Leuven ou Louvain, dependendo do idioma que estiver afim de falar no dia. Casa da Stella Artois e um dos mais respeitáveis centros de educação e pesquisa cervejeira no mundo a pequena cidade tem várias coisas interessantes a oferecer. Além do já óbvio centro antigo com seus prédios antigos e prefeitura antiga (está sentindo um tema aqui?) o charme da cidade fica a cargo da praça do Oude Markt. Lotada de bares de todos os lados a praça é considerada o maior bar a céu aberto da Europa.

Um ótimo local para sentar, beber uma cerveja e observar o clima boêmio universitário da cidade. Fora da praça e perto dali fica a Domus, um brewpub com boas cervejas e ótima comida. Outro lugar que vale a pena ser visitado é o De Hoorn, antigo prédio da cervejaria que criou a cerveja Stella Artois transformado em centro de eventos. Vale a visita pelo valor histórico mas os melhores momentos para fazer essa vista são durante o Beer Innovation Festival ou o Festival Zythos, maior da Bélgica, que costumam acontecer no mês de maio.

E além dessas cidades e lugares existem outros inúmeros e tão interessantes quanto. E em todos talvez o maior prazer seja achar aquele canto da cidade com um ar meio antigo, onde o tempo passa de forma um pouco mais lenta sem ligar muito para o que acontece pelo mundo. Procurar um belo café ou bar, pedir uma cerveja (qualquer uma) e aproveitar esse universo quase paralelo que se chama Bélgica.

>> Leia a última coluna de Linus de Paoli

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*